Aquele que declarou ser o Filho de Deus com todo o poder, em conformidade com o Espírito de Santidade,
pela ressurreição dos mortos, Jesus Cristo nosso Senhor (Romanos 1:4)



Existem centenas de profecias interligadas com outras demonstrando que uma mão sobrenatural e invisível inspirou os autores da Bíblia, dando-lhes provas da divindade de Jesus Cristo, evidências históricas de Sua morte na cruz e Sua ressurreição. Na Bíblia existem cerca de trezentas referências proféticas sobre o Messias de Deus que se cumpriram em Jesus Cristo. A realidade e a história da ressurreição de Jesus Cristo são os pilares mais importantes da fé Cristã.

Divisor da página para a página sobre a profecias, evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.
Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.

O Maior Sinal – A Ressurreição Decoração do Coração de Sacared e o sangue de Jesus Cristo,filho do deus.Prosiga abaixo ao assunto seguinte Cristãos:

Jesus disse, "Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai" (João 10:17-18).

Paulo argumenta, "E, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé. E assim somos também considerados como falsas testemunhas de Deus, pois testificamos de Deus, que ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não ressuscitam. Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E também os que dormiram em Cristo estão perdidos. Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens" (1 Coríntios 15:13-19). A realidade e historicidade da ressurreição são os pilares mais importantes do Cristianismo. Ao ressuscitar dos mortos Jesus provou ser o poderoso Filho de Deus, com a natureza santa do próprio Deus. (Romanos 1:4).

R.M’Cheyne Edgar, em sua obra, The Gospel of a Risen Saviour ( O Evangelho de um Salvador Ressuscitado), disse: "Eis aqui um mestre da religião que com toda a serenidade professa valer todos os seus direitos, e depois de ter vencido a morte se levantou da túmulo como disse que o faria. Devemos seguramente admitir que nunca houve, antes ou depois, uma proposta como esta. Falar que este teste extraordinário foi inventado por estudantes místicos de profecias, e inserido do jeito como se apresenta nas narrativas do evangelho, é colocar um fardo muito grande sobre nossa credulidade. Aquele que estava pronto para firmar tudo em Sua capacidade de voltar do túmulo, está diante de nós como o mais original de todos os mestres, alguém que resplandece pela evidência de Sua própria vida!"

Jesus anunciou Sua ressurreição e enfatizou que isso seria o "sinal" para autenticar Sua afirmação de ser o Messias. As passagens seguintes documentam as afirmações de Jesus sobre Sua ressurreição: Mateus 12:38-40; 16:21; 17:9; 17:22-23; 20:18-19; 26:32; 27:63. Marcos 8:31; 9:1; 9:10; 9:31; 10:32-34; 14:28, 58. Lucas 9:22. João 2:18-22; 12:32-34.

Apenas para citar umas dessas referências, João 2:18-22: "Responderam, pois, os judeus, e disseram-lhe: Que sinal nos mostras para fazeres isto? Jesus respondeu, e disse-lhes: Derribai este templo, e em três dias o levantarei. Disseram, pois, os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu o levantarás em três dias? Mas ele falava do templo do seu corpo. Quando, pois, ressuscitou dentre os mortos, os seus discípulos lembraram-se de que lhes dissera isto; e creram na Escritura, e na palavra que Jesus tinha dito".

Utilizando a perspectiva histórica notamos que a ressurreição de Cristo é um evento que ocorreu em uma dimensão definida de tempo e espaço. Wilbur Smith, notável erudito e mestre, observa (Smith, Wilbur M. Therefore Stand: Christian Apologetics. Grand Rapids: Baker Book House, 1965):

"O significado da ressurreição é um assunto teológico, mas o fato da ressurreição é um assunto histórico; a natureza da ressurreição do corpo de Cristo pode ser um mistério, mas o fato de que o corpo desapareceu do túmulo é um assunto para ser decidido sobre uma evidência histórica. O lugar possui uma definição geográfica, o homem a quem pertencia o túmulo era um homem que vivia na primeira metade do século primeiro; o túmulo era feito de pedra e ficava ao lado de uma colina próximo a Jerusalém. Não era nenhum invento diferente envolto numa atmosfera mitológica decorado com tecidos finos, mas era algo que tinha significância geográfica. Os guardas colocados diante do túmulo não eram seres fictícios do Monte Olimpo; o Sinédrio era um corpo de homens que se encontravam freqüentemente em Jerusalém. Como uma vasta literatura nos fala, esta pessoa, Jesus, era uma pessoa vivente, um homem entre outros homens, e os discípulos que saíram para pregar o Senhor ressuscitado eram homens entre homens, homens que se alimentaram, beberam, dormiram, sofreram, trabalharam e morreram. Que tem isto de doutrina? Este é um problema histórico" (página 386).

"Digamos que simplesmente sabemos muito mais sobre os detalhes das horas que antecederam a morte de Jesus Cristo, dentro e próximo a Jerusalém, do que sobre a morte de qualquer outro homem em todo o mundo antigo" (Página 360).

A ressurreição de Cristo possui uma rica abundância de evidências que incluem:

1. O testemunho da história:

Um historiador judeu de nome Josefo escreveu no final do primeiro século D.C., em sua obra Tempos Antigos Dos Judeus: "Havia, então, um homem nesse tempo chamado Jesus, um homem sábio, se é que é lícito chamá-Lo de um homem; pois ele fazia maravilhas, um mestre de homens que receberam a verdade com imenso prazer. Ele atraía para si muitos judeus e também muitos dos gregos. Tal homem era o Cristo e quando Pilatos o condenou à cruz, pela acusação dos homens principais entre nós, aqueles que o amaram desde o princípio não o abandonaram; ele lhes apareceu vivo no terceiro dia. Os santos profetas haviam falado estas coisas e milhares de outras maravilhas a respeito dele. E mesmo agora, a raça de Cristãos, os que tomaram seu nome, não desvaneceram."

Josefo era um judeu tentando agradar aos romanos e certamente ele não teria relatado esta história se não fosse verdade, já que não era agradável aos romanos retratar Pilatos como aquele que havia condenado o "Cristo".

2. O testemunho dos apóstolos:

Simon Greenleaf, Professor de Direito na Universidade de Harvard, escreveu em An Examination of the Testimony of the Four Evangelists by the Rules of Evidence Administered in the Courts of Justice –(Um exame do Testemunho dos Quatro Evangelistas segundo as Regras de Evidências Aplicadas nas Cortes de Justiça): "As grandes verdades que os apóstolos declararam eram que Cristo tinha ressuscitado dos mortos, e que só através do arrependimento do pecado, e fé em Jesus, os homens poderiam obter a salvação. Esta é a doutrina que eles afirmavam com uma só voz, em todos os lugares, não apenas sob condições de desalento, mas ante os mais assustadores erros que se podem apresentar à mente do homem. O mestre desses homens acabava de morrer como um malfeitor, pela sentença de um tribunal público. Sua religião procurava derrotar as religiões do mundo inteiro. As leis de cada país estavam contra os ensinamentos de Seus discípulos. Os interesses e as paixões de todos os governantes e grandes homens no mundo estavam contra eles. O costume do mundo estava contra eles. Propagando esta nova fé, mesmo que da maneira mais inofensiva e pacífica, eles não podiam esperar coisa alguma a não ser desprezo, oposição, insultos, perseguições amargas, açoites, aprisionamentos, tormentas e mortes cruéis. Ainda assim, eles propagaram zelosamente a fé que tinham, suportaram firmes todas estas misérias e, não somente isto, eles o fizeram com júbilo. Foram expostos a mortes miseráveis um após o outro, contudo os sobreviventes prosseguiram a obra com maior vigor e determinação. Poucas vezes os anais de combates militares fornecem tal exemplo de persistência heróica, paciência e indescritível coragem. Eles tinham todas as razões possíveis para reverem cuidadosamente os fundamentos da fé que professavam e as evidências dos grandes fatos e verdades que afirmavam; e estas razões os oprimiam com tristeza e freqüência terrível. Por isso era impossível que eles persistissem em afirmar as verdades que narravam, se Jesus não tivesse realmente ressuscitado dos mortos. Sem sombra de dúvida eles sabiam o que tinha acontecido" (Greenleaf, Simon. Testimony of the Evangelists, Examined by the Rules of Evidence Administered in Courts of Justice. Grand Rapids: Baker Book House, 1965 (reprinted from 1847 edition).

Depois da crucificação os apóstolos se esconderam temerosos pela perseguição das autoridades (certamente eles não tinham a coragem de entrar no túmulo de Jesus e "roubar" Seu corpo como os chefes religiosos queriam fazê-lo subornando os guardas). Ainda assim, dos doze apóstolos, onze morreram como mártires pregando que Jesus é o Filho de Deus que ressuscitou dos mortos. Pedro negou Jesus várias vezes depois que Jesus foi preso, mas pouco tempo depois de Sua crucificação e sepultamento, lá estava Pedro em Jerusalém pregando corajosamente sob ameaças de morte que Jesus era Filho de Deus e que havia ressuscitado. A fé de Pedro era tão fervorosa que na época de sua crucificação ele pediu para ser crucificado de cabeça para baixo porque não se considerava digno de morrer na mesma posição do Messias. Acredita-se que Tomé, que havia colocado seus dedos nas feridas de Jesus, também morreu como mártir atravessado por uma lança. Tiago, irmão de Jesus, que havia duvidado de Suas afirmações, morreu apedrejado depois que Jesus lhe apareceu (1 Coríntios 15:7).

É muito difícil morrer por uma mentira. Na história contemporânea, temos visto algumas pessoas morrerem pelas causas políticas nas quais elas acreditam, mas ninguém morre pelo que não acredita. Alguma coisa transformou estes apóstolos intimidados e humilhados em poderosos porta-vozes de sua fé. Jesus lhes havia aparecido. O livro de Atos narra que Jesus Se apresentou vivo aos apóstolos. "Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando das coisas relacionadas ao reino de Deus" (Atos 1:3).

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.
3. Jesus, de fato, morreu na cruz:

Enquanto estava pendurado na cruz, “E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito”. Os judeus, pois, para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, visto como era a preparação (pois era importante o dia de sábado), rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados. Foram, pois, os soldados, e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro, e ao outro que como ele fora crucificado; Mas, vindo a Jesus, e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas. Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. E aquele que o viu testificou, e o seu testemunho é verdadeiro; e sabe que é verdade o que diz, para que também vós o creiais" (João 19:30-35).

"E um deles correu a embeber uma esponja em vinagre e, pondo-a numa cana, deu-lho a beber, dizendo: Deixai, vejamos se virá Elias tirá-lo. E Jesus, dando um grande brado, expirou. E o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo. E o centurião, que estava defronte dele, vendo que assim clamando expirara, disse: Verdadeiramente este homem era o Filho de Deus!" (Marcos 15:36-39).

"E, chegada a tarde, porquanto era o dia da preparação, isto é, a véspera do sábado, chegou José de Arimatéia, senador honrado, que também esperava o reino de Deus, e ousadamente foi a Pilatos, e pediu o corpo de Jesus. E Pilatos se maravilhou de que já estivesse morto. E, chamando o centurião, perguntou-lhe se já havia muito que tinha morrido. E, tendo-se certificado pelo centurião, deu o corpo a José"(Marcos 15:42-45). O centurião tinha conhecimento de que Jesus havia morrido. Se não fosse assim, ele não teria confirmado o fato para Pilatos, e Pilatos não teria concedido o corpo a José de Arimatéia para o sepultamento.

"O qual comprara um lençol fino, e, tirando-o da cruz, o envolveu nele, e o depositou num sepulcro lavrado numa rocha; e revolveu uma pedra para a porta do sepulcro. E Maria Madalena e Maria, mãe de José, observavam onde o punham" (Marcos 15:46-47).

4. A Pedra:

Passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e Salomé compraram aromas para irem ungi-Lo. As mulheres estavam preocupadas e discutiam sobre como fariam para tirar a pedra da entrada do túmulo a fim de que pudessem ungir o corpo do Messias. Quando chegaram ao túmulo, a pedra "já estava removida, pois era muito grande" (Marcos 16:1,3,4). Mateus também descreve a pedra como "uma pedra grande" (Mateus 27:60). Acredita-se que a pedra pesava cerca de duas toneladas.

5. O Selo:

Mais importante do que o tamanho da pedra, salvo o fato de que uma grande pedra teria dissuadido ladrões em potencial, foi o selo que foi colocado sobre a pedra. Os fariseus foram até Pilatos e informaram-no de que Jesus havia dito que se levantaria em três dias. Eles pediram a Pilatos que desse ordens para que o sepulcro ficasse em segurança até o terceiro dia, "Manda, pois, que o sepulcro seja guardado com segurança até ao terceiro dia, não se dê o caso que os seus discípulos vão de noite, e o furtem, e digam ao povo: Ressuscitou dentre os mortos; e assim o último erro será pior do que o primeiro. E disse-lhes Pilatos: Tendes a guarda; ide, guardai-o como entenderdes. E, indo eles, seguraram o sepulcro com a guarda, selando a pedra" (Mateus 27:64-66).

A.T. Robertson em sua obra Word Pictures in the New Testament – Ilustrações da Palavra no Novo Testamento (New York: R.R. Smith, Inc., 1931) descreveu o provável método usado para selar a pedra "...provavelmente através de uma corda esticada ao redor da pedra e selada em sua extremidade tal como em Daniel 6:17(‘E foi trazida uma pedra e posta sobre a boca da cova; e o rei a selou com o seu anel e com o anel dos seus senhores, para que não se mudasse a sentença acerca de Daniel’). O ato de selar a pedra foi feito na presença dos guardas romanos que ficaram incumbidos de proteger o selo da autoridade e poder de Roma. Eles fizeram o melhor que puderam para impedir o roubo e a ressurreição (Bruce), mas acabaram se superando quando forneceram testemunho para o fato do túmulo vazio e a ressurreição de Jesus (Plummer)".

6. Os Trajes do Túmulo:

Quando Simão Pedro entrou no sepulcro de Jesus ele viu os lençóis de linho e o lenço que estivera sobre a cabeça de Jesus, e que não estava com os lençóis, mas deixado num lugar à parte (João 20:3-9). John R.W. Stott comenta, "Não é difícil imaginar o vislumbre apresentado aos olhos dos apóstolos quando eles chegaram ao túmulo: a placa de pedra, os lençóis de um lado, o lenço noutra parte. Não é de se estranhar que ‘viram e acreditaram.’ Uma olhadela nestas vestimentas provavam a realidade e indicavam a natureza da ressurreição. Elas não haviam sido tocadas, nem dobradas e tampouco manuseadas por qualquer ser humano. Elas estavam como um casulo do qual uma borboleta havia saído" (Stott, John R.W. Basic Christianity. Downers Grove: Inter-Varsity Press, 1971 – Cristianismo Básico).

7. O Engano:

A resposta de Pilatos aos fariseus foi "Vocês têm uma guarda", o que pode ser interpretado a partir dessa frase é: eles tinham uma guarda do exército romano ou já tinham a sua própria guarda como a polícia do templo. As autoridades predominantes concluem que uma guarda romana fora colocada lá. De outra forma, por que os fariseus iriam pedir a Pilatos que mantivesse o sepulcro em segurança? Eles não precisariam de sua autorização para colocar uma guarda que estava sob suas ordens. Quando Jesus ressuscitou, os guardas, temerosos da ira de Pilatos, foram até os sacerdotes e contaram o que havia acontecido (Mateus 28:11). Os sacerdotes deram aos guardas uma alta quantia em dinheiro para que escondessem o ocorrido: "Dizei: Vieram de noite os seus discípulos e, dormindo nós, o furtaram. E, se isto chegar a ser ouvido pelo presidente, nós o persuadiremos, e vos poremos em segurança. E eles, recebendo o dinheiro, fizeram como estavam instruídos. E foi divulgado este dito entre os judeus, até ao dia de hoje" (Mateus 28:13-15).

Por causa da rígida disciplina no exército, um guarda romano teria razões suficientes para temer as conseqüências de falta de cumprimento do dever. Certamente as punições viriam de um Pilatos furioso que os acusaria de dormirem durante o trabalho enquanto o corpo era roubado, isto representava a pena capital (a morte). Evidentemente os sacerdotes tinham influência sobre Pilatos e prometeram aos guardas que lhes protegeriam se eles mentissem. Suas promessas foram endossadas por uma grande quantia em dinheiro. Os sacerdotes não teriam tido que subornar uma guarda do templo que estava sob seu controle direto. O recurso utilizado, o suborno dos guardas, prova que o corpo de Jesus estava faltando e não havia sido, de fato, roubado.

O Professor Albert Roper (Roper, Albert. Did Jesus Rise from the Dead? - Jesus Ressuscitou dos Mortos - Grand Rapids: Zondervan Publishing House, copyright 1965) calcula o número dos guardas romanos entre dez e trinta e considera o selo no túmulo como o Selo Imperial de Roma (cuja violação teria acarretado na completa destruição do Império Romano). O Professor William Smith (Smith, William (ed.). Dictionary of Greek and Roman Antiquities. – Dicionário de Grego e Antiguidades Romanas -Rev.ed. London: James Walton and John Murray, 1870) nos informa que o número regular de guardas romanos era quatro. Destes, um sempre atuava como sentinela, enquanto os outros "desfrutavam de um certo descanso, prontos, é claro, para agirem ao primeiro alarme".

Mateus descreve o que aconteceu naquela noite enquanto o guarda estava em seu posto: "E eis que houvera um grande terremoto, porque um anjo do Senhor, descendo do céu, chegou, removendo a pedra da porta, e sentou-se sobre ela. E o seu aspecto era como um relâmpago, e as suas vestes brancas como neve. E os guardas, com medo dele, ficaram muito assombrados, e como mortos" (Mateus 28:2-4).

8. O Sofrimento de Jesus:

Alguns dizem que Jesus não morreu numa cruz, mas simplesmente desmaiou. Depois que foi colocado no túmulo, ele recobrou os sentidos, levantou-se e saiu.

O que este argumento negligencia são os sofrimentos físicos pelos quais Jesus passou, antes e durante da crucificação, que os levaram à morte. Antes de ser levado como prisioneiro Jesus viajou a pé por toda a Palestina e é razoável admitir que Ele estava em boas condições físicas. Prevendo seu calvário, na noite de terça-feira no Getsêmani, Jesus sofreu grande angústia mental, e, como está descrito em Lucas, um médico, Ele suou sangue. Suar sangue é um fenômeno raro, mas pode ocorrer sob estados emocionais muito intensos e é o resultado de uma hemorragia no interior das glândulas sudoríparas. (William D. Edwards, MD; Wesley J. Gabel, MD; Floyd E. Hosmer, MS., AMI, "On the Physical Death of Jesus Cristo,"- Sobre a Morte física de Jesus Cristo, JAMA, March 21, 1986 - Vol 255, No. 11, p. 1455).

Depois de ser preso no Getsêmani pelos chefes dos sacerdotes, os oficiais do templo e os anciãos, seus algozes zombaram dele, vendaram Seus olhos e Lhe bateram. Eles Lhe perguntaram, "‘Logo, tu és o Filho de Deus?’ E ele lhes respondeu, ‘Vós dizeis que eu sou,’" (Lucas 22:70) e levantando toda a assembléia, levaram Jesus a Pilatos. E ali passaram a acusá-Lo, dizendo que Ele havia sido encontrado pervertendo a nação, vedando pagar tributo a César e afirmando ser Ele o Cristo, o Rei. Pilatos não viu culpa em Jesus e ao saber que ele era Galileu enviou-Lhe a Herodes. Herodes sentiu-se feliz ao ver Jesus, pois ele desejava ver algum sinal feito por aquele homem. Herodes interrogou Jesus por um longo tempo, mas Jesus nada respondeu. Jesus sofreu zombarias, puseram-lhe um manto luxuoso e Ele foi devolvido a Pilatos. Pilatos informou aos principais sacerdotes, às autoridades e ao povo que ele não havia encontrado culpa em Jesus. Por isso ele o puniria e o libertaria em seguida, mas eles gritavam que soltasse Barrabás e a crucificasse Jesus. Pilatos resolveu, então, atender o pedido da multidão.

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.
O açoite legalmente precedia a toda execução romana. Eles usaram um chicote curto com muitas tiras trançadas ou simples tiras de couro. Estas tiras possuíam pequenas bolas de ferro ou pedaços afiados de ossos de ovelhas que dilaceravam a carne. As costas, as nádegas e as pernas foram açoitadas. O mecanismo de açoite objetivava enfraquecer a vítima até um estado de colapso ou morte. O sangramento resultava num estado de choque circulatório e determinava por quanto tempo a vítima sobreviveria na cruz.

Os soldados romanos cuspiram em Jesus e Lhe bateram na cabeça, colocando em Sua cabeça uma coroa de espinhos. Jesus estava tão fraco que os soldados tiveram que obrigar Simão, um cireneu, a carregar a cruz. Já que a cruz provavelmente pesava acima de 163 quilos, apenas a barra horizontal, pesando cerca de 40 a 68 quilos, foi carregada. Colocava-se sobre a nuca, no pescoço da vítima, e era equilibrada nos ombros.

Os romanos preferiam cravar as mãos da vítima na barra horizontal. Vestígios encontrados de uma vítima crucificada em um ossário próximo a Jerusalém datando do tempo de Cristo revelam que foram usados cravos de ferro de aproximadamente 12,5 a 17,5 centímetros de comprimento e 3/8 polegadas de grossura. Estes cravos atravessaram os pulsos e não as mãos. Os romanos também preferiam cravar os pés de suas vítimas.

O peso do corpo dependurado na cruz deixava os músculos intercostais em estado de inalação e gravemente impunha a exalação. Deste modo, a respiração se tornava bastante superficial, "Para uma respiração adequada a vítima teria que levantar o corpo sustentando-se sobre os pés, flexionar os cotovelos e aduzir os ombros. Entretanto, esta manobra colocaria todo o peso do corpo nos tarsos e produziria uma dor cauterizante. Além disso, a flexão dos cotovelos acarretaria na rotação dos pulsos sobre os cravos de ferro e resultaria em uma dor espantosa ao longo dos nervos intermediários já danificados. Levantar o corpo também rasparia dolorosamente as costas feridas pelo açoite contra as ásperas estacas de madeira. Acrescido ao sofrimento e desconforto ainda haviam as cãibras musculares e a paralisia dos braços estendidos e levantados. Como resultado, cada esforço para respirar tornava-se algo agonizante e de extrema fadiga, levando a vítima finalmente à asfixia." (JAMA, Março 21, 1986 - Vol 255, No.11, p.1461).

Dependendo da crueldade do flagelo a vítima sobrevivia na cruz por três a quatro horas ou até por três a quatro dias. Quando o flagelo era relativamente suave, os soldados romanos agilizavam a morte quebrando as pernas abaixo dos joelhos o que levava ao sufocamento da pessoa. Por costume, um dos guardas romanos também atravessaria o corpo da vítima pelo coração com uma lança ou espada.

O evangelho de João nos informa que, "E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito" (João 19:30). Para que os corpos não permanecessem na cruz no sábado, pediram a Pilatos que ordenasse que as pernas daqueles que não haviam morrido fossem quebradas. "Foram, pois, os soldados, e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro, e ao outro que como ele fora crucificado; Mas, vindo a Jesus, e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas. Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água" (João 19:32-34).

Alegar que Jesus "desmaiou" em vez de morrer na cruz e mais tarde recobrou os sentidos no sepulcro, recuperando suas forças depois do extenuante trauma físico pelo qual tinha passado (incluindo ser trespassado por uma lança). Que foi capaz de remover sozinho uma pedra de duas toneladas e passar os quarenta dias seguintes ministrando a seus seguidores por toda a terra santa é totalmente absurdo e ridículo. Examinar a extensa prova histórica de sua ressurreição, atesta a Sua divindade e nos dá esperança de que se crermos Nele teremos a vida eterna, tal como Ele nos prometeu.

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.

A Ressurreição em Detalhes Decoração do Coração de Sacared e o sangue de Jesus Cristo,filho do deus.Prosiga abaixo ao assunto seguinte Cristãos:


  1. Un canular vicieux ou le fait le plus fantastique de l'histoire
  2. JESUS TEM TRÊS CREDENCIAIS

    a. O IMPACTO DE SUA VIDA SOBRE A HISTÓRIA
    b. O CUMPRIMENTO DA PROFECIA EM SUA VIDA
    c. A RESSURREIÇÃO
  3. POSTULADOS MODERNOS (A PERSPECTIVA NATURALISTA)

    a. NÃO HÁ DEUS.
    b. VIVEMOS EM UM SISTEMA FECHADO.
    c. O SOBRENATURAL NÃO EXISTE.
    d. MILAGRES NÃO PODEM ACONTECER.
  4. COMO RESULTADO E APESAR DA EVIDÊNCIA, ELES VÊEM UM TÚMULO VAZIO E DIZEM QUE NÃO PODE HAVER RESSURREIÇÃO.

    ESTAS SÃO PRESSUPOSIÇÕES FILOSÓFICAS E NÃO EVIDÊNCIAS.

    “SINCERAMENTE É MUITO DIFÍCIL DE ACREDITAR” – DEBATE EM CALPOLY

    TUDO QUE É SOBRENATURAL E ESTÁ RELACIONADO COM JESUS TEM QUE SER DESCARTADO.

    MUITOS DOS PROBLEMAS QUE AS PESSOAS TÊM NÃO ESTÃO RELACIONADOS COM A EVIDÊNCIA, MAS COM A ESTRUTURA FILOSÓFICA QUE POSSUEM.

    JOHN WARWICK MONTGOMERY DIZ QUE “A ÚNICA FORMA DE PODERMOS SABER SE UM EVENTO PODE OCORRER É VER SE DE FATO ELE OCORREU. O PROBLEMA DOS “MILAGRES”, ENTÃO, DEVE SER RESOLVIDO DENTRO DO CAMPO DA INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA, NÃO NO CAMPO DA ESPECULAÇÃO” (“HISTÓRIA E CRISTIANISMO”).
  5. O CRISTIANISMO EM CONTRASTE COM OUTRAS RELIGIÕES ESTÁ FUNDAMENTADO NA VIDA, MORTE E RESSURREIÇÃO DE SEU FUNDADOR. QUASE TODA RELIGIÃO BASEIA-SE EM PRESSUPOSIÇÕES FILOSÓFICAS OU IDEOLOGIAS. O CRISTIANISMO SE ESTABECE NA RESSURREIÇÃO DE SEU FUNDADOR PARA SUBSTANCIAR A VERDADE QUE ESTÁ SENDO DITA. OUTRAS RELIGIÕES ESTÃO FUNDAMENTADAS NOS ENSINAMENTOS E FILOSOFIAS DE SEUS CRIADORES.

    R. M’Cheyne Edgar, em sua obra, ‘O Evangelho de um Salvador Ressuscitado’ ( “The Gospel of a Rise Savior ” ) diz:
    “Eis aqui um mestre da religião que com toda a serenidade professa valer todos os seus direitos, e depois de ter vencido a morte se levantou do túmulo como disse que o faria. Devemos seguramente admitir que nunca houve, antes ou depois, uma proposta como esta. Falar que este teste extraordinário foi inventado por estudantes místicos de profecias, e inserido do jeito como se apresenta nas narrativas do evangelho, é colocar um fardo muito grande sobre nossa credulidade. Aquele que estava pronto para firmar tudo em Sua capacidade de voltar do túmulo está diante de nós como o mais original de todos os mestres, alguém que resplandece pela evidência de Sua própria vida!"

Se você for ao túmulo de George Washington você o encontrará lá. Se for ao túmulo de Richard Nixon também o encontrará lá, mas se você for ao túmulo de Jesus você encontrará...TURISTAS.

Wilbur M. Smith, renomado erudito e mestre, diz, “A ressurreição de Cristo é exatamente a fortaleza da fé Cristã. Esta é a doutrina que virou o mundo de cabeça para baixo no primeiro século, que ascendeu o Cristianismo sobre o Judaísmo e sobre as religiões pagãs do mundo mediterrâneo. Se isto se perder, então tudo o mais que é vital e singular no Evangelho do Senhor Jesus Cristo se perderá: ‘E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé’ (I Cor. 15:17).”

Dr. Simon Greenleaf, um dos maiores advogados americanos, disse sobre a área de provas circunstanciais:
“SE EXISTE UM NÚMERO SUFICIENTE DE PESSOAS VIVAS QUANDO AS INFORMAÇÕES SOBRE UM EVENTO SÃO PUBLICADAS E TAIS PESSOAS OU SÃO TESTEMUNHAS DE UM EVENTO OU PARTICIPARAM DELE, CERTAMENTE PODE-SE ESTABELECER COM BASTANTE PRECISÃO A VALIDADE DESTE EVENTO SECULAR.”

O Dr. Greenleaf escreveu três volumes sobre as leis das evidências legais. Ele era um homem cético, sempre debochando dos Cristãos em suas aulas em Harvard. Ele foi desafiado por alguns de seus alunos para aplicar as leis das evidências legais na ressurreição de Jesus. Durante o processo ele se tornou um Cristão e chegou à conclusão de que a ressurreição de Jesus Cristo é um dos melhores fatos já estabelecidos na História.

O Dr. Frank Morrison, um jornalista e engenheiro com certo treinamento em direito, admirava o estilo de vida de Jesus Cristo, mas pensava que a ressurreição fosse um mito. Ele pôs-se a escrever um livro refutando o mito da ressurreição. Tão sinceras eram suas intenções que pagou do próprio bolso sua viagem até a Palestina para fazer pesquisas. Enquanto estava lá ele entregou sua vida a Jesus e em seguida escreveu o livro ‘Quem Moveu a Pedra’ (“Who Moved the Stone”). O primeiro capítulo está significantemente intitulado ‘O Livro Que Se Recusou a Ser Escrito’ (“The Book That Refused to Be Written”).

C. S. Lewis disse, “Eu era um dos homens mais relutantes em me converter ao Cristianismo. Fui levado ao reino dando coices”.

QUAL FOI A EVIDÊNCIA QUE LEVOU ESTES HOMENS AO CRISTIANISMO:

AS PREDIÇÕES DE CRISTO SOBRE SUA RESSURREIÇÃO ANTES DA PRIMEIRA PÁSCOA:

Mateus 16:21 – “Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia.”

Mateus 17:9 – “E, DESCENDO ELES DO MONTE, JESUS LHES ORDENOU, DIZENDO: A NINGUÉM CONTEIS A VISÃO, ATÉ QUE O FILHO DO HOMEM SEJA RESSUSCITADO DENTRE OS MORTOS.’”

MARK 9:10 – “E ACONTECEU QUE, ESTANDO ELE EM CASA SENTADO À MESA, CHEGARAM MUITOS PUBLICANOS E PECADORES, E SENTARAM-SE JUNTAMENTE COM JESUS E SEUS DISCÍPULOS.”

JOHN 2:18-22 – “RESPONDERAM, POIS, OS JUDEUS, E DISSERAM-LHE: QUE SINAL NOS MOSTRAS PARA FAZERES ISTO?

JESUS RESPONDEU, E DISSE-LHES: DERRIBAI ESTE TEMPLO, E EM TRÊS DIAS O LEVANTAREI.

DISSERAM, POIS, OS JUDEUS: EM QUARENTA E SEIS ANOS FOI EDIFICADO ESTE TEMPLO, E TU O LEVANTARÁS EM TRÊS DIAS?

MAS ELE FALAVA DO TEMPLO DO SEU CORPO.

QUANDO, POIS, RESSUSCITOU DENTRE OS MORTOS, OS SEUS DISCÍPULOS LEMBRARAM-SE DE QUE LHES DISSERA ISTO; E CRERAM NA ESCRITURA, E NA PALAVRA QUE JESUS TINHA DITO” .

EXISTEM MUITO OUTROS VERSÍCULOS BÍBLICOS COM RESPEITO ÀS PROFECIAS DE JESUS SOBRE SUA RESSURREIÇÃO INCLUINDO MATEUS 17:22,23, MATEUS 20:18-19
Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.

EVENTOS BÍBLICOS:

O GRANDE TERREMOTO

O ANJO DO SENHOR DESCEU DO CÉU E REMOVEU A PEDRA

OS GUARDAS CAIRAM COMO MORTOS

OS SOLDADOS CORRERAM ATÉ O SUMO SACERDOTE

O SUMO SACERDOTE DÁ-LHES DINHEIRO PARA QUE DIGAM QUE DISCÍPULOS HAVIAM ROUBADO O CORPO

PROVAS DA RESSURREIÇÃO

É NECESSÁRIO PRIMEIRO ESTABELECER QUE ELE MORREU - O sábado se aproximava – Os soldados romanos não quebraram suas pernas já que ele estava morto –Seu corpo perfurado por uma lança – Sangue e água – Rápida decomposição – Pilatos assegurou-se da morte junto ao centurião antes de entregar seu corpo a José de Arimatéia.

O SEPULCRO -

O SEPULCRO ESTAVA VAZIO

ATÉ MESMO OS INIMIGOS CONFIRMARAM QUE O SEPULCRO ESTAVA VAZIO

OS APÓSTOLOS FORAM ESPANCADOS PARA NEGÁ-LO

AS MULHERES VIRAM O SEPULCRO VAZIO

QUALQUER PESSOA PODIA TÊ-LO VERIFICADO – FAÇA-O

OS TRAJES DA SEPULTURA

MARIA MADALENA INFORMOU A PEDRO E JOÃO QUE O TÚMULO ESTAVA VAZIO

JOÃO CORREU MAIS RÁPIDO DO QUE PEDRO

ELES VIRAM OS LENÇÓIS DE LINHO, MAS NÃO ENTRARAM

PEDRO VIU O LENÇO QUE ESTAVA SOBRE O ROSTO DE JESUS ENROLADO EM UM CANTO.

A PEDRA -

Mateus a descreve como sendo uma pedra grande. Marcos nos diz que a pedra era extremamente grande – uma pedra sólida de mais ou menos 1.50 de altura – em geral acredita-se que pesava 2 toneladas – com espaço para 3 corpos.

DEPOIS DA RESSURREIÇÃO A PEDRA FOI REMOVIDA, POIS ESTAVA EM POSIÇÃO DIFERENTE.

MATEUS USA UMA PALAVRA GREGA “KULIO”, QUE SIGNIFICA “ROLAR”, PARA DIZER QUE A PEDRA FOI REMOVIDA.

MARCOS USA UMA PALAVRA COM A MESMA RAIZ E A PREPOSIÇÃO “ANA” QUE SIGNIFICA ACIMA OU PARA CIMA. ISTO SÓ PODE SIGNIFICAR QUE A PEDRA FOI ROLADA PARA CIMA OU PARA UMA INCLINAÇÃO. POSSIVELMENTE HAVIA UMA INCLINAÇÃO NAQUELE LUGAR.

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.
LUCAS, CONSIDERADO UM DOS HISTORIADORES MAIS PRECISOS DA ANTIGUIDADE, USA “KULIO” (LUCA 24) COM A PREPOSIÇÃO “APPO” QUE SIGNIFICA LONGE DE NO SENTIDO DE DISTÂNCIA OU SEPARAÇÃO.

ELE AFIRMA QUE A PEDRA FOI REMOVIDA NÃO APENAS DA ENTRADA, MAS DO “TÚMULO” OU “SEPULCRO”.

JOÃO USOU A PALAVRA GREGA “AIRO”, QUE SIGNIFICA LEVANTAR ALGO E TRANSPÔ-LA PARA OUTRO LUGAR. A PEDRA FOI REMOVIDA PARA CIMA E PARA LONGE.

OS GUARDAS NÃO PODERIAM TER AJUDADO, MAS CERTAMENTE OUVIRIAM O QUE ESTAVA ACONTECIDO MESMO QUE ESTIVESSEM EM SONO PROFUNDO.

A GUARDA –

Pilatos disse “vocês têm a guarda, faça com que o lugar esteja em segurança”. – O policial do templo ou o guarda romano – ambos bem fortes – se dormiam eram castigados e suas roupas queimadas – APOC.16:15, “EIS QUE VENHO COMO LADRÃO. BEM-AVENTURADO AQUELE QUE VIGIA, E GUARDA AS SUAS ROUPAS, PARA QUE NÃO ANDE NU, E NÃO SE VEJAM AS SUAS VERGONHAS.” A guarda romana era uma máquina de lutar – possuía de 4 a 20 homens – normalmente 16, cada um deles treinado para proteger 6 pés quadrados de terreno. 16 homens, com 4 em cada lado em um quadrado para proteger 36 jardas quadradas de terreno.

Os homens da guarda dormiam em turnos, e a cada 3 horas trocavam a equipe. Em grupo de 12, 8 homens dormiam enquanto 4 deles permaneciam acordados – Em grupo de 16, 10 dormiam enquanto 6 permaneciam na guarda. Todos tinham 8 horas de sono – Eles estavam sempre alerta.

ROMANOS. Homens fortes. Armados com uma LANÇA de dois metros, uma ESPADA de um metro, na mão, uma ADAGA e para proteção um ESCUDO de madeira ou de vime coberto com COURO E METAL FORJADO, MARCADO COM O SINAL DE UM RAIO!

SE UM GUARDA ROMANO ADORMECESSE NÃO APENAS ELE SERIA LEVADO À MORTE, MAS TAMBÉM TODA A EQUIPE DE 12 OU 16 HOMENS SERIA EXECUTADA. ELES ERAM DESPIDOS E QUEIMADOS EM UM FOGO INICIADO COM SUAS PRÓPRIAS VESTIMENTAS.

A GUARDA ROMANA NÃO ESTAVA ADORMECIDA

Mesmo querendo que o túmulo estivesse seguro os Fariseus: 1) não desejavam uma revolta política, 2) Razões religiosas – o número de convertidos era de milhares, 3) Razões pessoais – Jesus estava constantemente insultando-lhes.

O SELO:

ERA COLOCADO APENAS NA PRESENÇA DE UM GUARDA ROMANO.

CORDA DE DUAS PONTAS FEITA DE COURO SEM CURTIR ESTICADA DIAGONALMENTE E PRESA A QUATRO OUTRAS COM O SELO NO CENTRO.

SELO DE TIBÉRIO CÉSAR

A FORÇA DE ROMA RESPALDADA PELO SELO

A PENALIDADE DO SELO ERA A EXECUÇÃO DE CABEÇA PARA BAIXO

OS APÓSTOLOS NÃO PODIAM TER VIOLADO O SELO

OS APÓSTOLOS:

ANTES DE VER JESUS APÓS A RESSURREIÇÃO:

PEDRO NEGOU CRISTO (6 VEZES – 2 VEZES EM CADA UMA DAS OCASIÕES)

COVARDES.

DESANIMADOS, DERROTADOS. ELES NÃO ENTENDERAM A PROFECIA DE QUE ELE SE LEVANTARIA DOS MORTOS. (João 20:9).

DEPOIS

APÓS A RESSURREIÇÃO E APESAR DOS JULGAMENTOS, DOS MAUS TRATOS E DA MORTE, ELES PROCLAMARAM QUE JESUS HAVIA RESSUSCITADO.

ATRAVÉS DO LIVRO DE ATOS ELES PROCLAMARAM QUE JESUS RESSUSCITARA DOS MORTOS.

“NÓS FOMOS TESTEMUNHAS OCULARES”.

SOMENTE UMA RESSURREIÇÃO VERDADEIRA PODE TER INFLAMADO TAL FERVOR.

JESUS APARECEU AOS APÓSTOLOS DURANTE MAIS DE 40 DIAS. ELE SE APRESENTAVA VIVO “ATRAVÉS DE MUITAS PROVAS CONVINCENTES” (ATOS 1:3). TERMINOLOGIA LEGAL.

MARIA MADALENA SE AGARROU A JESUS NO SEPULCRO. JESUS PEDIU-LHE PARA QUE NÃO O FIZESSE UMA VEZ QUE ELE ANDA NÃO HAVIA ASCENDIDO AO PAI.

ELE APARECEU NO PRIMEIRO DIA DA SEMANA ATRAVÉS DE PORTAS FECHADAS E MOSTROU AOS DISCÍPULOS SUAS MÃOS E O LADO EM QUE HAVIA SIDO TRESPASSADO (João 20:19-20)

TOMÉ NÃO ESTAVA COM ELES E NÃO ACREDITOU. 8 DIAS MAIS TARDE JESUS APARECE NOVAMENTE ANTRE ELES E MAIS UMA VEZ A PORTA ESTAVA FECHADA (João 20:26). TOMÉ QUERIA PROVAS OBJETIVAS E EMPÍRICAS.

JESUS PERMITE QUE TOMÉ EXAMINE SUAS MÃOS E SEU LADO FERIDO PELA LANÇA

JESUS APARECEU EM UMA PRAIA A UNS 100 METROS DE DISTÂNCIA DE ONDE OS DISCÍPULOS ESTAVAM PESCANDO EM UM BARCO PEQUENO. ELE LHES DISSE QUE LANÇASSEM A REDE PARA O LADO DIREITO DA EMBARCAÇÃO (João 21:6). ELES NÃO TINHAM PESCADO PEIXE ALGUM DURANTE TODA A NOITE. GRANDE PESCARIA SE DEU. 153 PEIXES. A REDE NÃO SE ROMPEU.

JOÃO DISSE A PEDRO QUE ERA JESUS. PEDRO CINGIU-SE COM SUAS VESTE, PORQUE SE HAVIA DESPIDO, E LANÇOU-SE NO MAR PARA IR TER COM JESUS.

QUANDO OS DISCÍPULOS SALTARAM EM TERRA, VIRAM ALI UMAS BRASAS E, EM CIMA, PEIXES; E HAVIA TAMBÉM PÃO.

NO ANO 56 D.C. PAULO DISSE QUE JESUS APARECEU PARA MAIS DE 500 IRMÃOS DE UMA SÓ VEZ. A MAIORIA DELES ESTAVA VIVA E PODIA CONFIRMÁ-LO NA ÉPOCA! (1Coríntios 15:6).

11 DOS 12 MORRERAM COMO MÁRTIRES. PEDRO FOI CRUCIFICADO DE CABEÇA PARA BAIXO PORQUE NÃO SE SENTIA DIGNO DE MORRER COMO JESUS. ALGO ACONTECEU.

O SÁBADO:

A ADORAÇÃO MUDOU PARA O PRIMEIRO DIA DA SEMANA, O DOMINGO.

OS JUDEUS TEMIAM QUEBRAR O SÁBADO. ELES HAVIAM SIDO ENVIADOS PARA O CATIVEIRO NA BABILÔNIA DURANTE QUASE 500 ANOS POR NÃO CONSAGRAREM O SÁBADO.

ALGUMA COISA EXTRAORDINÁRIA ACONTECEU PARA ELES MUDAREM SUA ADORAÇÃO DE SÁBADO PARA DOMINGO.

NÃO CRENTES – TESTEMUNHO DA HISTÓRIA - Josefo em sua obra “Tempos Antigos dos Judeus” – afirma que Jesus apareceu no terceiro dia.

SE NÃO HAVIA UMA RESSURREIÇÃO, ELES SE EXPUSERAM À IRA DE DEUS, E ARRISCARAM-SE A SEREM BANIDOS POR SUAS COMUNIDADES.
Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.
CONCLUSÃO:

ELE DE FATO ESTÁ VIVO!

ARGUMENTOS CONTRA:

OS DISCÍPULOS ROUBARAM O CORPO: PROBLEMAS COM A VIOLAÇÃO DO SELO, A GUARDA ROMANA, A PEDRA, OS TRAJES DO TÚMULO, O APARECIMENTO A 500 PESSOAS DE UMA SÓ VEZ, PROBLEMAS ÉTICOS E MORAIS (O MESTRE ENSINAVA-OS A TEREM UMA VIDA ÉTICA).

ALUCINAÇÕES:

AS ALUCINAÇÕES SÃO MUITO INDIVIDUAIS, NÃO EM GRUPO

NÃO PARAM DE REPENTE. OS APARECIMENTOS DE JESUS PARARAM DEPOIS DA ASCENSÃO.

EXPERIMENTADAS PELAS PESSOAS QUE SÃO EMOCIONALMENTE INSTÁVEIS E QUE ANSEIAM POR ALGO EXTRAORDINÁRIO (UM OVNI ETC...) OS APÓSTOLOS NÃO ESTAVAM ESPERANDO VER JESUS NOVAMENTE.

OS JUDEUS E OS ROMANOS PODIAM TER DESMENTIDO O SEPULCRO VAZIO

ROMANOS E JUDEUS TOMARAM O CORPO PARA COLOCÁ-LO NUM TÚMULO, EM UM LUGAR SEGURO:

POR QUE ELES CAUSARAM TODOS ESTES PROBLEMAS QUE LEVARAM A OUTROS QUE NÃO DESEJAVAM?

SE SOUBESSEM ONDE O CORPO SE ENCONTRAVA, ELES O TERIAM MOSTRADO.

AO MOSTRAREM O CORPO, ELES TERIAM ACABADO COM O CRISTIANISMO

EM VEZ DISSO OS JUDEUS PRENDERAM OS CRISTÃOS, GOLPEARAM-LHES E AÇOITARAM-LHES PARA QUE PARASSEM DE PREGAR A RESSURREIÇÃO.

JOSH MCDOWELL, “O SILÊNCIO DOS JUDEUS FALA MAIS ALTO DO QUE A VOZ DOS CRISTÃOS”.

A TEORIA DO DESMAIO:

JESUS NÃO MORREU, ELE APENAS DESMAIOU.

JESUS FOI SEVERAMENTE SURRADO, NÃO CONSEGUIU CARREGAR SUA PRÓPRIA CRUZ, FOI PREGADO NO MADEIRO, SUFOCADO, CUSPIDO, SEU SANGUE SEPAROU-SE EM SANGUE E ÁGUA, E DEPOIS RECOBROU OS SENTIDOS NA FRIEZA DE UM TÚMULO?

QUATRO CARRASCOS ASSINARAM SUA GARANTIA DE MORTE

DEPOIS ELE SE LEVANTOU, REMOVEU UMA PEDRA DE DUAS TONELADAS E PASSOU OS PRÓXIMOS 40 DIAS MINISTRANDO A SEUS SEGUIDORES POR TODA A TERRA SANTA.

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.

O Cumprimento da Profecia Decoração do Coração de Sacared e o sangue de Jesus Cristo,filho do deus.Prosiga abaixo ao assunto seguinte Cristãos:As Probabilidades Proféticas

Depois de Sua ressurreição Jesus apareceu a dois apóstolos no caminho de uma vila chamada Emaús. Os apóstolos não O reconheceram logo de imediato porque seus olhos estavam impedidos de fazê-lo. Eles estavam tristes e Jesus lhes perguntou o motivo. Eles informaram-no como Jesus, o Nazareno, que era varão profeta, poderoso em obras e palavras, diante de Deus e de todo o povo tinha sido crucificado (Lucas 24). Continuaram a contar-Lhe que algumas mulheres entre eles tinham ido ao túmulo e não encontraram o corpo, mas tinham tido a visão de anjos que haviam lhes dito que Ele estava vivo. Outros tinham ido ao túmulo e encontraram-no como as mulheres haviam dito – sem traço algum de Jesus. Jesus, então, disse aos dois apóstolos, "E ele lhes disse: Ó néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras" (Lucas 24:25-27).

Existem centenas de profecias entrelaçadas na Bíblia que evidenciam a mão sobrenatural e invisível que inspirou os seus autores. Existem trezentas referências ao Messias que foram cumpridas em Jesus. Em seu excelente e detalhado livro, Evidência Que Exige Um Veredito (Evidence That Demands A Verdict -Campus Crusade for Christ, Inc., 1972, 1979) Josh McDowell, no nono capítulo analisa as 61 maiores profecias relacionadas ao Messias.

O argumento que tem sido feito é que Jesus deliberadamente cumpriu estas profecias, mas muitas das profecias se cumpriram além de Seu controle tais como: Seu lugar de nascimento (Miquéias 5:2), o tempo de Seu nascimento (Daniel 9:25; Gênesis 49:10), a forma de Seu nascimento (Isaías 7:14), Sua traição (Salmos 41:9, Zacarias 11:12, 11:13b), a forma de sua morte (Salmos 22:16), as reações das pessoas (a zombaria, o cuspe, o desprezo, etc...) (Isaías 50:6, Miquéias 5:1, Salmos 22:7,8, Isaías 53:3, Salmos 69:8, Salmos 118:22, Salmos 69:4, Isaías 49:7, Salmos 38:11, Salmos 22:7, Salmos 109:25, Salmos 22:17), o trespasse pela lança (Zacarias 12:10, Salmos 22:16) e o sepultamento (Isaías 53:9).

Outro argumento é que as profecias foram escritas no tempo de Jesus ou depois Dele e por isso foram fabricadas. O problema com este argumento é que a data histórica de cumprimento do Antigo Testamento é de 450 a.C e a Septuaginta, a tradução grega das Escrituras Hebréias, foi iniciada no reinado de Filadelfo Ptolomeu (285-246 AC). O Velho Testamento Hebreu provavelmente estava disponível em toda a sua totalidade para ser traduzido começando no ano de 250 A.C. Há pelo menos um espaço de 250 anos entre o período em que as profecias foram escritas e o cumprimento subseqüente na pessoa de Jesus Cristo.

Passaremos agora a olhar estas incríveis profecias (todas tomadas da Bíblia Sagrada Revista e Atualizada no Brasil - Edição Missionária) apontando para a existência de um Sei inteligente existindo fora da dimensão do tempo:

  1. Nascido de uma virgem: "Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel" (Isaías 7:14, Isaías profetizou aproximadamente de 758-698 A.C).

    Emanuel significa "Deus conosco".
  2. Nascido em Belém: "E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade" (Miquéias 5:2). Miquéias profetizou de 756 a 697 A.C. Como a segunda pessoa da trindade, os dias de Jesus são desde a eternidade.
  3. Seu governo e pré-existência: Igual ao item 2, "E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade" (Miquéias 5:2). "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz" (Isaías 9:6-7). Isaías profetizou entre 758 e 698 A.C.
  4. A morte das crianças por Herodes: "Assim diz o SENHOR: Uma voz se ouviu em Ramá, lamentação, choro amargo; Raquel chora seus filhos; não quer ser consolada quanto a seus filhos, porque já não existem’" (Jeremias 31:15).
  5. Precedida por um mensageiro: "Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do SENHOR; endireitai no ermo vereda a nosso Deus’" (Isaías 40:3).

    O cumprimento desta profecia veio na pessoa de João Batista."... E, NAQUELES dias, apareceu João o Batista pregando no deserto da Judéia, e dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus’" (Mateus 3:1,2).

  6. Seu ministério começa na Galiléia: "MAS a terra, que foi angustiada, não será entenebrecida; envileceu nos primeiros tempos, a terra de Zebulom, e a terra de Naftali; mas nos últimos tempos a enobreceu junto ao caminho do mar, além do Jordão, na Galiléia das nações" (Isaías 9:1).

    O cumprimento da profecia é documentada em Mateus 4:12,13,17: "Jesus, porém, ouvindo que João estava preso, voltou para a Galiléia;

    E, deixando Nazaré, foi habitar em Cafarnaum, cidade marítima, nos confins de Zebulom e Naftali;

    Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus.’"

  7. Jesus entrou em Jerusalém montado num jumento: "Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém; eis que o teu rei virá a ti, justo e salvo, pobre, e montado sobre um jumento, e sobre um jumentinho, filho de jumenta" (Zacarias 9:9). Em Lucas vemos que Jesus entrou em Jerusalém montando um jumentinho (Lucas 19:35,36,37a).

    O profeta Zacarias, nascido na Babilônia, retornou para a reconstrução de Jerusalém com a primeira caravana de exilados sob o comando de Zorobabel e Josué. Também esteve envolvido na construção de segundo templo.

    Existem profecias do Velho Testamento que foram cumpridas em um único dia. Elas forma dadas por numerosos profetas através dos séculos de 1000 a 500 A.C e diziam respeito à traição, julgamento, morte e sepultamento de Jesus Cristo.
  8. Traído por um amigo: "Até o meu próprio amigo íntimo, em quem eu tanto confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar" (Salmos 41:9). Jesus foi traído por Judas Iscariotes; seu amigo (Mateus 10:4).
  9. Vendido por 30 moedas de prata: "Porque eu lhes disse: Se parece bem aos vossos olhos, dai-me o meu salário e, se não, deixai-o. E pesaram o meu salário, trinta moedas de prata!’" (Zacarias 11:12). Judas traiu Jesus por trinta moedas de prata (Mateus 27:3).
  10. Dinheiro para ser lançado à casa de Deus: "O SENHOR, pois, disse-me: Arroja isso ao oleiro, esse belo preço em que fui avaliado por eles. E tomei as trinta moedas de prata, e as arrojei ao oleiro, na casa do SENHOR" (Zacarias 11:13).

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.
Quando Judas viu que Jesus havia sido condenado, ele sentiu remorso e quis devolver as trinta moedas aos principais sacerdotes e anciãos dizendo que tinha pecado, traindo sangue inocente. Ele atirou o dinheiro dentro do santuário ("na casa do Senhor"). Os principais sacerdotes concluíram que não era lícito devolver o dinheiro ao cofre das ofertas já que era preço de sangue. Por isso, com o dinheiro eles compraram o campo do oleiro, para cemitério de forasteiros. Deus tinha revelado isso a Zacarias centenas de anos atrás. Zacarias, entretanto, não foi enganado pelas maquinações legais dos sacerdotes que, para evitarem manchar-se de sangue inocente (forma sobre substância), deram uso às moedas fazendo o que julgavam ser uma boa ação e usando a casa do Senhor como respaldo.

As profecias realmente predisseram (1) a traição, (2) por um amigo, (3) por 30 moedas, (4) de prata, (5) o dinheiro lançado, (6) na casa do Senhor e (7) referem-se a um "oleiro" cujo campo foi comprado.

Profecias adicionais referem-se aos apóstolos abandonando Jesus (Profecia em Zacarias 13:7 cumprida e documentada em Marcos 14:50, Marcos 14:27, e Mateus 26:31); Jesus sendo acusado por falsas testemunhas (Profecia em Salmos 35:11 cumprida em Mateus 26:59,60); Jesus permanece em silêncio diante de seus acusadores (Profecia em Isaías 53:7 cumprida e documentada em Mateus 27:12); Ele seria ferido e moído (Profecia em Isaías 53:5 cumprida em 27:26); cuspiriam Nele e Lhe golpeariam (Profecia em Isaías 50:6 cumprida em Mateus 26:67); zombariam Dele (Profecia em Salmos 22:7,8 cumprida em Mateus 27:31; Suas mãos e pés seriam cravados (Profecia em Salmos 22:16 cumprida em Lucas 23:33, João 20:25); Ele seria crucificado junto com ladrões (Isaías 53:12 cumprida em Mateus 27:38, Marcos 15:27,28); Ele intercederia por seus perseguidores (enquanto na cruz) Profecia em Isaías 53:12 cumprida em Lucas 23:34); Seu próprio povo O rejeitaria (Profecia em Isaías 53:3 cumprida em João 7:5,48); Ele seria odiado sem causa (Salmos 69:4 e Isaías 49:7 cumprida em João 15:25); seus amigos se manteriam distantes (Salmos 38:11 cumprida em Lucas 23:49); as pessoas meneariam as cabeças (Salmos 109:25 cumprida em Mateus 27:39); as pessoas parariam para olhá-Lo (Salmos 22:17 cumprida em Lucas 23:35); Suas vestes seriam divididas e lançariam sorte sobre suas roupas (Salmos 22:18 cumprida em João 19:23,24).

Estas profecias continuam e ainda incluem: Ele sofreria sede (Profecia documentada em Salmos 69:21 e cumprida em João 19:28); haveriam de Lhe oferecer fel e vinagre (Profecia em Salmos 69:21 e cumprida em Mateus 27:34); Seu grito de angústia (Profecia em Salmos 22:1a e cumprimento em Mateus 27:46); a entrega de Seu Espírito a Deus (Profecia em Salmos 31:5 e cumprida em Lucas 23:46); o fato de que Seus ossos não foram quebrados (Profecia em Salmos 34:20 e cumprida em João 19:33; Seu coração estava como que derretido (Salmos 22:14 e cumprida em João 19:34); Ele foi trespassado (Zacarias 12:10 e cumprida em João 19:34); A escuridão cobriu a terra (Amós 8:9 e cumprida em Mateus 27:45) ; Ele foi enterrado no túmulo de um homem rico (Isaías 53:9 e cumprida em Mateus 27:57-60).

O capítulo 53 de Isaías é um poderoso e profético capítulo com relação a Jesus, o Messias:

QUEM deu crédito à nossa pregação?
E a quem se manifestou o braço do SENHOR?
Porque foi subindo como renovo perante ele,
e como raiz de uma terra seca;
não tinha beleza nem formosura e,
olhando nós para ele,
não havia boa aparência nele,
para que o desejássemos.

Era desprezado,
e o mais rejeitado entre os homens,
homem de dores,
e experimentado nos trabalhos;
e, como um de quem os homens escondiam o rosto,
era desprezado,
e não fizemos dele caso algum.

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades,
e as nossas dores levou sobre si;
e nós o reputávamos por aflito,
ferido de Deus, e oprimido.
Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões,
e moído por causa das nossas iniqüidades;
o castigo que nos traz a paz estava sobre ele,
e pelas suas pisaduras fomos sarados.
Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas;
cada um se desviava pelo seu caminho;
mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.
Ele foi oprimido e afligido,
mas não abriu a sua boca;
como um cordeiro foi levado ao matadouro,
e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores,
assim ele não abriu a sua boca.
Da opressão e do juízo foi tirado;
e quem contará o tempo da sua vida?
Porquanto foi cortado da terra dos viventes;
pela transgressão do meu povo ele foi atingido.
E puseram a sua sepultura com os ímpios,
e com o rico na sua morte;
ainda que nunca cometeu injustiça,
nem houve engano na sua boca.
Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo,
fazendo-o enfermar;
quando a sua alma se puser por expiação do pecado,
verá a sua posteridade, prolongará os seus dias;
e o bom prazer do SENHOR prosperará na sua mão.
Ele verá o fruto do trabalho da sua alma,
e ficará satisfeito;
com o seu conhecimento o meu servo,
o justo, justificará a muitos;
porque as iniqüidades deles levará sobre si.
Por isso lhe darei a parte de muitos,
e com os poderosos repartirá ele o despojo;
porquanto derramou a sua alma na morte,
e foi contado com os transgressores;
mas ele levou sobre si o pecado de muitos,
e intercedeu pelos transgressores.

Esta incrível profecia de Isaías escrita em 700 a.C tange com todas as verdades reunidas na vida de Jesus incluindo os temas do sacrifício feito por nossos pecados, Sua inocência, Sua natureza mansa e despretensiosa, Sua bondade, Sua disposição de sofrer a injustiça, Sua crucificação com dois criminosos um de cada lado e Seu sepultamento no túmulo de um homem rico, José de Arimatéia. Somente um Deus onisciente, fora da dimensão do tempo, conhecedor do início e do fim de todas as coisas podia ter dado a Isaías tal revelação. Isaías profetizou sobre Judá e Jerusalém nos dias de Uzias, Jotão, Acás e Ezequias, reis de Judá, provavelmente de 758 a 698 A.C. Ele era casado e tinha dois filhos. De acordo com a tradição rabínica, Isaías, aos 90 anos de idade, foi cerrado ao meio, no tronco de uma alfarrobeira, segundo as ordens do rei idólatra Manassés – ‘Dicionário da Bíblia’ (Smith, William, L.L.D., A Dictionary of The Bible, Thomas Nelson Publishers, Nashville).

Davi, nascido em Belém em 1085 AC e Rei de Judá, escreveu o seguinte Salmo profético descrevendo o tormento de Jesus (Salmo 22):

DEUS meu, Deus meu, por que me desamparaste?
Por que te alongas do meu auxílio e das palavras do meu bramido?
Deus meu, eu clamo de dia, e tu não me ouves;
de noite, e não tenho sossego.
Porém tu és santo, tu que habitas entre os louvores de Israel.
Em ti confiaram nossos pais;
confiaram, e tu os livraste.
A ti clamaram e escaparam;
em ti confiaram, e não foram confundidos.
Mas eu sou verme, e não homem,
opróbrio dos homens e desprezado do povo.
Todos os que me vêem zombam de mim,
estendem os lábios e meneiam a cabeça, dizendo:
Confiou no SENHOR, que o livre;
livre-o, pois nele tem prazer.

Não te alongues de mim, pois a angústia está perto,
e não há quem ajude.
Muitos touros me cercaram;
fortes touros de Basã me rodearam.
Abriram contra mim suas bocas,
como um leão que despedaça e que ruge.
Como água me derramei,
e todos os meus ossos se desconjuntaram;
o meu coração é como cera,
derreteu-se no meio das minhas entranhas.
A minha força se secou como um caco,
e a língua se me pega ao paladar;
e me puseste no pó da morte.
Pois me rodearam cães;
o ajuntamento de malfeitores me cercou,
traspassaram-me as mãos e os pés.
Poderia contar todos os meus ossos;
eles vêem e me contemplam.
Repartem entre si as minhas vestes,
e lançam sortes sobre a minha roupa.
Mas tu, SENHOR, não te alongues de mim.
Força minha, apressa-te em socorrer-me.
Livra a minha alma da espada,
e a minha predileta da força do cão.
Salva-me da boca do leão;
sim, ouviste-me, das pontas dos bois selvagens.

(Salmos 22: 1-8, 11-21).

Como já foi dito anteriormente, os soldados romanos trespassaram as mãos e os pés de Jesus com cravos. Como o sábado se aproximava, eles se chegaram até Jesus para quebrar-Lhe os ossos das pernas de modo que Ele logo sufocasse e deixasse de respirar. Mas Ele já estava morto e seus ossos não tiveram que ser quebrados. Os soldados tomaram as Suas roupas, dividiram-nas em quatro partes, uma para cada um deles. Como sua túnica não possuía costuras eles não a rasgaram, mas lançaram sorte dela para ver com quem ficaria. (João 19:23,24).

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.

As Probabilidades Proféticas Decoração do Coração de Sacared e o sangue de Jesus Cristo,filho do deus.Prosiga abaixo ao assunto seguinte Cristãos:

Usando a probabilidade estatística em ‘Ciência que Fala’ (Science Speaks), Peter Stoner calcula que para que se cumpra apenas oito das profecias, a probabilidade estatística é de 1 em 100,000,000,000,000,000 ou de 1 em 1017 (veja Stoner, Peter W. Science Speaks. Chicago: Moody Press, 1963). Para nos ajudar a entender essa assombrosa probabilidade ele dá o exemplo de 1017 em dólares de prata colocados sobre a superfície do estado do Texas. O estado inteiro seria coberto com dólares de prata até a profundidade de mais ou menos sessenta centímetros. "Agora marque um destes dólares de prata e misture muito bem todo o restante e coloque novamente a moeda marcada em meio às outras. Ponha uma venda nos olhos de um homem e diga-lhe que ele pode viajar tão longe quanto quiser, mas deve pegar apenas uma moeda e dizer que aquela é a que você marcou. Que chance ele teria de pegar exatamente a correta? A mesma chance que os profetas teriam tido de escrever estas oito profecias e de que todas elas se cumprissem em qualquer homem, desde seus dias até o presente tempo, considerando que eles as tivessem escrito em sua própria sabedoria".

A chance de um homem completar 48 profecias é de 1 em 10157. Jesus fantasticamente cumpriu pelo 10 profecias. As chances destes acontecimentos são infinitesimais. Não há explicação, senão que um Deus inteligente inspirou a escrita destas profecias, "cumprindo-as" efetivamente na encarnação de Seu Filho, Jesus Cristo!

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.

A Confiabilidade Histórica da Bíblia Decoração do Coração de Sacared e o sangue de Jesus Cristo,filho do deus.Prosiga abaixo ao assunto seguinte Cristãos:

Os documentos do Novo Testamento são confiáveis?

Lucas é um historiador completo. Por exemplo, no capítulo 3 Lucas nos informa com grande especificidade, “E NO ano quinze do império de Tibério César, sendo Pôncio Pilatos presidente da Judéia, e Herodes tetrarca da Galiléia, e seu irmão Filipe tetrarca da Ituréia e da província de Traconites, e Lisânias tetrarca de Abilene, Sendo Anás e Caifás sumos sacerdotes, veio no deserto a palavra de Deus a João, filho de Zacarias” (Capítulo 3; 1-2).

Tibério tornou-se imperador em Agosto, no ano 14 D.C., e provavelmente Lucas empregou o método de cálculo utilizado na Síria. Seu décimo quinto ano teria iniciado de setembro a outubro do ano 27 D.C..

O Quarto Evangelho, o Evangelho de João, menciona três Páscoas desde o batismo de Jesus por João até Sua crucificação (João 2:13, João 6:4; João 11:15), a Última Ceia celebrada antes da Festa da Terceira Páscoa (João 13:1).

A terceira Páscoa do ano 27 D.C. teria sido no ano 30 D.C.. É por isso que geralmente se concorda que a crucificação de Cristo aconteceu provavelmente no ano 30 D.C..

Segundo as opiniões dos eruditos, quando os evangelhos do Novo Testamento foram escritos?

Saber quando os Evangelhos do novo Testamento foram escritos é importante já que a memória de uma testemunha de um evento se desvanece com o tempo. Os eventos são mais precisamente registrados se são anotados quando ainda recentes na mente daqueles que os testemunharam. Se a informação é atenuada, com o passar do tempo a probabilidade de erro em relação ao ocorrido aumenta.

O Evangelho de Lucas, segundo opiniões correntes, foi escrito pelo mesmo autor de Atos dos Apóstolos, que se refere a Lucas como o “primeiro relator”. Por exemplo, ambos estão endereçados a “Teófilo”. Ambos têm estilo e vocabulário similares. O Historiador Colin Hemer fornece todas as seguintes evidências que dão suporte à idéia de que Atos foi escrito entre 60 e 62 D.C..

  1. Não há menção alguma em Atos da queda de Jerusalém em 70 D.C.
  2. A guerra dos judeus do ano de 66 D.C., entre judeus e romanos, não é mencionada.
  3. As perseguições dos Cristãos por Nero no final dos anos 60 D.C. não aparecem.
  4. A morte de Tiago nas mãos do Sinédrio em 62 D.C. registrada por Josefo em “Tempos Antigos do Judeus” também não é mencionada.
  5. A proeminência e poder dos Saduceus em Atos reflete uma prévia ao ano 70, anterior à subseqüente hostilidade a Roma.
  6. Em Atos os Fariseus são tratados com relativa simpatia o que teria sido improvável depois do Conselho de Jamnia e o avivamento fariseu que levou ao recomeço do conflito com o Cristianismo. Este não é o caso no evangelho de Lucas.
  7. Atos parece ter sido escrito anteriormente à chegada de Pedro em Roma.
  8. Atos foi escrito num tempo quando se permitiam gentios, “temerosos de Deus”, na sinagoga, data anterior aos anos 70.

Existe agora uma ampla aceitação das datas primitivas do Novo Testamento.O antigo erudito liberal William F. Albright afirma: “Já podemos dizer enfaticamente que não existe mais nenhuma base sólida para datar qualquer livro do Novo Testamento depois dos anos 80 D.C., duas gerações inteiras antes da data entre 130 e 150 dadas pelos mais radicais críticos do Novo Testamento dos dias atuais” (“Descobrimentos Recentes em Terras Bíblicas” - “Recent Discoveries in Bible Lands” – Enciclopédia Baker de Apologética Cristã, Norman L. Geisler).

Acredita geralmente que o Evangelho de Lucas foi escrito pouco depois de Atos; Mateus pouco depois dos anos 70 D.C.. e João por volta de 100 D.C.. Em seu livro “Modificando a Data do Novo Testamento” - “Redating the New Testament” John A.T. Robinson, uma celebridade ao iniciar o movimento a “Morte de Deus” - “Death of God”, coloca Mateus entre 40-60 D.C., Marcos mais ou menos entre 45-65 D.C., Lucas antes de 57 D.C. e depois de 60 D.C., e João antes de 40 D.C. e depois de 65 D.C.. O Novo Testamento teria sido escrito enquanto as testemunhas estavam vivas assegurando a veracidade dos evangelhos. Em 18 de março de 1972, Jose O’Callahan, um paleógrafo espanhol jesuíta, identificou um fragmento do manuscrito do Qumran como sendo um pedaço do evangelho de Marcos cuja data remonta ao ano 50 D.C.

“A data da escrita do livro de Atos depende da data que nós afixarmos ao terceiro evangelho, o Evangelho de Lucas, pois ambos sãos partes de uma obra histórica, e a segunda parte parece ter sido escrita logo após a primeira. Existem fortes argumentos para datar as duas obras não muito depois dos dois anos da prisão de Paulo em Roma (60-62 D.C.)” (F.F. Bruce, “Os Documentos do Novo Testamento São Confiáveis?” - “The New Testament Documents: Are They Reliable”).

FF. Bruce continua “As datas das 13 epístolas de Paulo podem ser determinadas parcialmente por evidências internas e parcialmente por evidências externas… Existem alguns escritores em nossos dias que rejeitariam Efésios; outros poucos rejeitaram 2 Tessalonicenses; mais alguns outros negariam que as Epístolas Pastorais (1 e 2 Timóteo e Tito) chegaram à sua forma atual pelas mãos de Paulo. Eu as aceito todas como Paulinas, mas as oito cartas restantes seriam por elas mesmas suficientes para nosso propósito, e a partir delas que os principais argumentos são apresentados em nosso último capítulo sobre ‘A Importância da Evidência de Paulo’.

“Dez das cartas de Paulo que levam seu nome são do período anterior ao final de sua prisão em Roma. Estas dez, em ordem de quando foram escritas, podem ser datadas como se segue abaixo: Gálatas, ano 48; 1 e 2 Tessalonicenses, ano 50; 1 e 2 Coríntios, anos 54-56; Romanos, ano 57; Filipenses, Colossenses, Filemon e Efésios, ano 60.” As Epístolas Pastorais pela estilo e atmosfera histórica que possuem (mudam segundo os estados dos assuntos tratados nas igrejas Paulinas) foram provavelmente compiladas mais tarde do que as outras epístolas de Paulo em 63-65 D.C.. Isto não significa um problema para aqueles que acreditam na segunda prisão de Paulo em Roma no ano 65, tempo em que ele provavelmente foi executado.

F.F. Bruce conclui que o tempo entre os eventos evangelísticos relatados no Novo Testamento e a data em que foram registrados foi curto, dando-lhes confiabilidade como informações que não foram corrompidas com o tempo (nem estariam sujeitas a adornos mitológicos).

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.
Documentos Originais:

Uma multiplicidade de manuscritos associada ao tempo quando o primeiro deles foi criado é uma evidência para uma “cadeia de informações” não contaminada. As discrepâncias entre o manuscrito mais velho disponível e a cópia mais atual do mesmo manuscrito ajudam a determinar a autenticidade do manuscrito disponível mais aceito geralmente.

Teólogos alemães no século 19 argumentaram que o Evangelho de João não havia sido escrito até pelo menos 160 D.C. Por isso os eventos relacionados à vida de Jesus não tinham muito uso histórico.

Um fragmento de papiro, de mais ou menos duas polegadas e meia por três e meia, foi adquirido no Egito em 1920 contendo cinco versículos do décimo oitavo capítulo do evangelho de João.

Em 1934 C.H. Roberts do Saint John’s College, Oxford, reconheceu esta porção do Evangelho de João revisando os papiros existentes na Biblioteca de John Rylands em Manchester. Pelo estilo da escrita ele concluiu que sua origem datava entre 100 D.C e 150 D.C.. Adolf Deissman, um importante paleógrafo, convenceu-se de que o fragmento do papiro era pelo menos da mesma época do reinado de Hadrian, o imperador romano (117-138 D.C.) ou talvez Trajano (98-117 D.C.).

O fato deste fragmento de uma cópia ter sido encontrado ao longo do rio Nilo no Egito, longe de Éfeso, na Ásia Menor, onde João provavelmente escreveu seu evangelho, e aliado ao tempo transcorrido para chegar ao Egito, dá credibilidade a uma escrita mais antiga do Evangelho de João.

Willian F. Allbright atestando sobre uma autoria anterior ao Evangelho de João, afirma que a evidência da comunidade do Qumran mostra que os conceitos, terminologias e os pensamentos do Evangelho de João pertencem provavelmente ao início do primeiro século (‘Descobertas Recentes na Palestina’ da “Enciclopédia Baker de Apologia Cristã”- “Recent Discoveries in Palestine’ from the “Baker Encyclopedia of Christian Apologetics,” Norman L. Geisler). “Graças às descobertas do Qumran, o Novo Testamento prova ser de fato o que se acreditava ser anteriormente: os ensinamentos de Cristo e seus seguidores entre os anos 25 e 80 D.C.,” (‘Da Idade da Pedra ao Cristianismo’ - “From Stone Age to Christianity,” 23).

Manuscritos em Existência

Nós temos 5.664 manuscritos gregos em existência, de 8.000 a 10,000 em latim vulgar e cerca de 8.000 etíopes, eslavos e armênios. (Fonte: Entrevista de Lee Strobel a Bruce M. Metzger em “The Case For Christ”). Tanto o Código do Sinai, ‘The Codex Sinaiticus’, o único completo do Novo Testamento, quanto o Código do Vaticano, ‘Codex Vaticanus’, datam de aproximadamente 350 D.C. e estão todos em letras gregas maiúsculas.

O Novo Testamento é extremamente rico em veracidade de manuscritos se for comparado aos materiais textuais de outras obras históricas antigas.

Citando novamente F.F. Bruce, “For Caesar’s “Gallic War” (escrito entre 58 e 50 a.C) existem ainda vários manuscritos, mas apenas nove ou dez são bons, e o mais velho é de 900 anos depois dos tempos de César. Dos 142 livros da História Romana de Livy (59a.C – 17D.C.) apenas trinta e cinco sobreviveram; destes nós conhecemos não mais que vinte, um dos quais data do século IV e contém fragmentos dos Livros III e IV. Dos catorze livros das “Histórias” de Tácito (100D.C.) apenas quatro e meio restaram; dos dezesseis livros de seus “Anais”, dez sobreviveram inteiros e dois em partes. O texto destes fragmentos que restaram dessas duas grandes obras depende em sua totalidade dos manuscritos, um do século nove e o outro do século onze.”

Conhecemos a ‘A História de Tucides’- “The History of Thucydides” (460-400 a.C) por oito manuscritos que restaram, o mais antigo datando de 900 D.C. e alguns são pedaços de papiros, datando provavelmente do início da era Cristã. O mesmo acontece com a ‘The History of Herodotus’- “A História de Heródoto” (488-428 a.C).

“Ainda assim nenhum erudito daria ouvidos ao argumento de que a autenticidade de Heródoto ou Tucides é duvidosa, já que os primeiros manuscritos de suas obras não foram de utilidade histórica para nós e apareceram 1.300 anos mais tarde do que os originais”.

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.

Estabelecendo um Relacionamento Com Deus Decoração do Coração de Sacared e o sangue de Jesus Cristo,filho do deus.Prosiga abaixo ao assunto seguinte Cristãos:A Verdade Sobre o Código Da Vinci

O objetivo deste website incluiu fornecer a você um bom entendimento da natureza de Deus, quem é Deus, quem é Jesus Cristo e qual é o plano de Deus para a salvação da humanidade. O autor deste site deseja agora fazer o leitor receber Jesus através de uma oração simples. Jesus disse: "Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo" (Apocalipse 3:20). Orar é falar com Deus. Deus conhece o seu coração e não está preocupado com suas palavras, mas com a atitude de seu coração. Aqui está uma oração sugerida:


"Senhor Jesus, Eu preciso Ti. Obrigado por morreres na cruz pelos meus pecados. Eu te peço que entres agora em minha vida. Eu Te recebo como meu Salvador e Senhor. Obrigado por perdoares meus pecados e me dar a vida eterna. Transforma-me na pessoa que tu queres que eu seja."

Ao aceitar Jesus e convidá-Lo para entrar em sua vida, você fez uma aliança com o Deus do Universo para que Ele lhe dê a vida eterna. Isto não é um estado emocional passageiro nem tampouco um sentimento efêmero. Seu Espírito Santo, agora habitando em você, irá transformá-lo, com o seu consentimento, em uma nova criatura.

Divisor da página para a página sobre a profecias, evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.  Clipart desenhos decoração para o tópico: A Verdade Sobre o Código Da Vinci

A Verdade Sobre o Código Da Vinci Decoração do Coração de Sacared e o sangue de Jesus Cristo,filho do deus.Prosiga abaixo ao assunto seguinte Cristãos:

O livro e o filme que logo será lancado se baseia em um mito de que Jesus foi casado com Maria Madalena e teve uma filha cuja linhagem sobrevive na Europa.

No livro, a Igreja Católica é retratada como tendo encoberto esta linhagem por 2000 anos, e uma suposta conspiração Opus Dei é retratada como tendo encoberto violentamente o segredo desta linhagem ou linha de sangue.

Fora a alegação de que Jesus Cristo foi casado com Maria Madalena, o livro e o filme, se ele for fiel ao livro, não demonstra nenhum remorso por projetar a Igreja Católica e o Opus Dei um grupo católico conservador, de forma negativa.

A edição de 2 de Janeiro de 2006 da Revista Newsweek, relata que um porta voz da Opus Dei pediu ao Ron Howard, diretor do filme, antes de começar a filmagem que retirasse o nome da prelatura do filme e o porta voz não recebeu nenhuma resposta. Howard disse a Newsweek “ A Opus Dei é mencionada no livro, e não nos desviamos disso e de nenhum outro aspecto do livro”. O conteúdo do livro se tornou um “evangelho”?

Dan Brown, autor do Código Da Vinci disse em uma entrevista ao Good Morning America que inicialmente era cético ao cenário de “Jesus ter sido casado com Maria Madalena”. (minha citação) mas passou a crer e apresenta isso como verdade histórica no livro.

A vinte e quatro anos eu li o livro “Santo sangue, Santo Graal” o qual especula que a busca do “Santo Graal” é na realidade uma busca pelo “Sang Royale” (Sangria) ou linhagem real de Jesus Cristo, através da sua suposta esposa Maria Madalena, que fugiu para a França depois da crucificação de Cristo. Este suposto (fato histórico) foi guardado como segredo, mas foi feita a alusão por grupos secretos como os cavaleiros templários e o convento de Sion.

Então, existe autoridade Bíblica para a alegação de que Maria Madalena tenha sido casada com Jesus?

Os quatro evangelhos aceitos de maneira geral, Mateus, Marcos, Lucas e João, contém doze versículos sobre Maria Madalena e nenhum descreve qualquer tipo de relação conjugal entre ela e Jesus.

Maria Madalena fazia parte de um grupo de mulheres que viajavam com Jesus e seus discípulos. “Aconteceu, depois disto, que andava Jesus de cidade em cidade e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus, e os doze iam com ele” (Lucas 8:1) Estas mulheres provavelmente ajudavam cuidando dos preparativos e alimentando os viajantes. (Lucas 8:3) Nos informa que “Joanna mulher de Cuza, procurador de Herodes, Suzana e muitas outras, as quais lhe prestavam assistencia com os seus bens”.

“E tambem algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demonios.” ( Lucas 8:2)

Na crucificação o evangelho de Marcos nos conta que muitas mulheres estavam presentes olhando de longe. “Estavam alí muitas mulheres, observando de longe, eram as que vinham seguindo Jesus desde a Galiléia, para o servirem” (Mateus 27:55), “Entre elas estavam Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e de José, e a mulher de Zebedeu. (Mateus 27:56). No versículo 56 teria sido fácil identificar a Maria Madalena como “mulher de Jesus” se esse fosse o caso. As outras mulheres foram identificadas por sua maternidade. Maria Madalena e uma entre muitas mulheres, uma seguidora fiel de Jesus, mas nada além disso.

“Passado o sábado seguido após a crucificação de Jesus, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem embalsamá-lo. (Marcos 16:1 e Lucas 24:1). Quando elas chegaram ao túmulo, elas viram que a enorme pedra que selava a entrada havia sido removida. Um jovem vestido de branco, um anjo, estava sentado dentro do túmulo. O anjo disse para as mulheres que Jesus havia ressucitado de entre os mortos e que elas fossem e dissessem aos discípulos e a Pedro que ele irá adiante deles para a Galiléia, e la o vereis, como ele vos disse. E saindo elas, fugiram do sepúlcro, porque estavam possuídas de temor e assombro, e de medo. (Marcos 16:1-8)

Havendo ele ressuscitado de manhã cedo no primeiro dia da semana, apareceu primeiro a Maria Madalena, da qual expelira sete demonios. E, partindo ela, foi anunciar a aqueles que, tendo sido companheiros de Jesus, se achavam tristes e choravam. Estes ouvindo que ele vivia e que fora visto por ela não acreditaram. (Marcos 16:9-11). (Lucas 24:9-11) E, voltando do túmulo, anunciaram todas estas coisas aos onze e a todos os mais que com eles estavam. Eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago, também as demais que estavam com elas confirmaram estas coisas aos apóstolos. Tais palavras lhes pareciam um como delírio, e não acreditarm nelas.

Deve ser mencionado que os apóstolos não acreditaram no que eles ouviram de Maria Madalena e das outras mulheres, mas dez entre os onze apóstolos morreram como Martirs. Judas não esta incluído porque ele se enforcou depois de ter traído Cristo. João provavelmente morreu de velhice na ilha de Patmos no mediterrãneo. Você morreria voluntariamente por uma mentira? Somente uma verdadeira ressurreição de Jesus, quem eles tinham por morto poderia ter transformado esses homens de luto, chorando e amendrontrados em corajosos evangelistas, dispostos a morrer por suas crenças.

Exite só um versículo que se refere a contato físico entre Jesus e Maria Madalena. Maria Madalena, permanecia junto a entrada do túmulo chorando. Voltou-se para trás e viu Jesus em pé, mas não o reconheceu. (João 20:14)

Perguntou-lhe Jesus: Mulher, porque choras? A quem procuras? Ela, supondo ser ele o jardineiro, respondeu: Senhor se tu o tiraste, dize-me onde o puseste, e eu o levarei. Disse-lhe Jesus: Maria! Ela voltando-se, lhe disse, em Hebraico: Raboni (que quer dizer Mestre)! Recomendou-lhe Jesus: Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus. Então, saiu Maria Madalena anunciando aos discípulos: Vi o Senhor! E contava que ele lhe dissera estas coisas. (João 20:15-18)

Contrário a suposição do “Código Da Vinci”, é necessário uma imaginacão muito fértil para interpretar a cena descrita como a reunião entre um marido e sua esposa. Maria confundiu Jesus com um jardineiro. Ela se dirigiu a ele como Raboni ou Mestre, um sinal de respeito e não “marido” ou “Jesus”. Ela provavelmente o abracou com alegria, mas somente isso. Nada mais. Jesus se dirigiu a ela como “mulher” e não queria que ela o segurasse. Esta reação não é particularmente carinhosa ou íntima, como alguém poderia esperar para uma esposa, depois de ter sido crucificado e ressureto!

Na tradição judaica, o casamento é respeitado. Jesus poderia facilmente ter sido o Filho de Deus e ter sido casado. Jesus era inteiramente Deus e inteiramente homem. O casamento não teria restringido a sua divindade e o casamento não era algo que os judeus mantinham em segredo ou escondiam. Era normal ser casado. Rabinos notáveis eram casados. A Bíblia nos conta que Pedro era casado. Se Jesus tivesse sido casado com Maria Madalena isso teria sido revelado. Não era de nenhuma maneira embaraçoso revelar esse tipo de informação. Repare que em Lucas 8:3 Joana é identificada como mulher de Cuza, procurador de Herodes. Em Atos 18:2 no fala que Paulo encontrou a Aquila e sua esposa Priscila em Corinto, companheiros fabricantes de tendas e que ficou com eles.

Quem então fabricaria o mito de que Jesus era casado com Maria Madalena, mas por uma razão obscura teria que manter isso em segredo?

Os Gnósticos, um movimento que surgiu no 1º século depois de Cristo, e que se opunha a divindade de Cristo, parece ter sido a fonte deste mito.

Os fundadores da Igreja Crista acreditavam que Simão, o feiticeiro de Samaria (Atos 8) foi o primeiro Gnóstico. Os fundadores da Igreja insitiam que Simão praticava magia e se declarava divino. De acordo com os fundadores da Igreja, Simão ensinava que sua companheira, uma antiga prostituta, era a reencarnacao de Elena de Troia. Um discípulo de Simão chamado Menander ensinou no final do 1º século, que aqueles que acreditavam nele, não morreriam. Infelismente para Menander ( e seus seguidores) ele morreu.

O único homem em toda a história da humanidade que fisicamente ressucitou depois de morto foi a própria encarnação de Deus, Jesus Cristo (Veja “O Maior Sinal A Ressurreição").

No entanto, os Gnósticos ensinavam um dualismo cósmico, isto é, o que era espiritual era bom e o que era material era mal. Os códigos Nag Hammadi tratam a ressurrição de Jesus Cristo como espiritual e nao fisica. Os gnósticos, como os Yogis Hindus, acreditam que os seres humanos devem rejeitar o mundo material e se abrirem a “gnosis” ou conhecimentos escondidos.

O cristianismo ensina que a salvação e a vida eterna chega a nós através da aceitação do sacrifício de Jesus na cruz como redenção por nossa natureza pecaminosa. (Os orientais interpretariam isso como nossa “vergonha”). Através da morte física na cruz Jesus pagou o preço por nossos pecados, por nossa vergonha. E simplesmente orando, “ Jesus, eu entrego minha vida a Ti. Por favor venha e receba minha vida. Perdoe-me por meus pecados”. Uma pessoa aceita Jesus, tornado-se nova criatura, e entra em um relacionamento pessoal com o Deus do Universo.

Por outro lado, místicos, acreditam que o mundo é uma ilusão (“Maya” no Hinduismo), buscam a salvação dentro deles mesmos através de gnosis, meditação, yoga, cerimonias secretas, descobrindo “verdades superiores”. Eles não tentam se aproximar de um Deus infinitamente inteligente e pessoal, mas eles tentam encontrar a salvação dentro de si mesmos ou através de mitos inventados como o de Menander, que ao acreditarem nele, não haveria morte. Nenhum desses mitos tráz a paz espiritual porque eles não alcancam a provisão de Deus para o pecado, Jesus Cristo.

Os Gnósticos, hostis as reivindicações de Jesus Cristo, de que ele era filho de Deus encarnado (veja Página 2 “ A Importancia da Trindade” e “Provas nas Escrituras sobre a Trindade”) tentam corromper a mensagem dele e confundir a sua historiacidade.

Entre os vários gnósticos corruptos esta a invenção de que Jesus Cristo foi casado com Maria Madalena, conforme foi descrito nos primeiros textos gnósticos. A verdade é que Maria Madalena não foi casada com Jesus e não há absolutamente prova alguma de que ela jamais tenha sido (Veja “A Confiabilidade Histórica da Bíblia”)

É lamentavel que milhões de leitores e expectadores serão negligentemente expostos a esse mito, que a Igreja Católica e o Opus Dei estão sendo marginalizados e endemonizados por isso, e que todo o corpo cristão se vê acusado de encobrir o que é verdadeiramente uma invensão, fabricação tola.
Decoração do Coração de Sacared e o sangue de Jesus Cristo,filho do deus.Prosiga abaixo ao assunto seguinte Cristãos:

- La Verdad Sobre El Código Da Vinci (Español) -
- The Da Vinci Code Truth Proof (English) -
- Die Wahrheit Über Den Da Vinci-Code (Deutsch) -

Quatro Leis Espirituais?
Divisor da página para a página sobre a profecias, evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.
Coração Sacred de Jesus;decoração;vá a Página Anterior.
Coração Sacred de Jesus;decoração;vá a Próxima Página.

Copyright © 1999-2014
Todos os direitos reservados
Reap the Harvest.

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.








Sumário Conclusão Palavras: evidências poderosas da divindade de jesus cristo.há uma prova da crucificação e morte na cruz,além da ressurreição de jesus cristo?a apologética cristã explica os atos históricos de simão,dos soldados romanos,de pôncio pilatos,do rei herodes e de outros personagens.razões para crer e provas bíblicas que evidenciam que deus nos enviou seu filho,o messias jesus cristo–uma divindade para nos dar fé e nos mostrar como devemos viver na terra e alcançar o paraíso. prova da existência de jesus cristo provas da existência de cristo evidencias da vida de jesus evidencias biblicas as provas historicas da vida de jesus cristo a divindade de jesus informação biblica sobre quem foi jesus cristo sentença de jesus cristo que o levou à prisão e morte jesus o filho de deus jesus como senhor da historia fatos que evidenciam a volta de jesus evidençias jesus cristo filho do deus vivo a crucificação de cristo jesus o significado da crucificação a ressurreição de jesus ressurreição de cristo bíblica apologética cristã divindade de cristo evidencias da biblia existem mais de 300 profecias que se cumpriram na pessoa de jesus estas profecias que foram escritas a milhares de anos antes dele ter nascido velho testamento a vida de jesus a divindade de jesus na perspectiva de joão apologia sobre a divindade de cristo perguntas sobre filho de deus c.s. lewis borboletas pesquisa sobre vida crista jesus na cruz divindade reencarnação versus ressurreição tumulo de jesus fotos soldados romanos prisão romana tronco soldados romanos rede lança lucas 5 sepulcro vazio ressurreição as passagens de bíblicas que provão que jesus está vivo depois da ressurreição referencias de isaias capítulo ensinamentos misticos de jesus a cruz de cristo quanto pesava cruz de cristo carregar zacarias salvo ou salvador passagens biblicas que fala sobre o sabado versiculos do velho testamento que se referem a jesus cristo herodoto e tucides profecias do antigo testamento cumpridas em jesus base bíblica para a morte de judas iscariotes muitos tem traido jesus por 30 moedas de prata aparecimentos do menino jesus no antigo testamento quem foi salomé? o que é a verdade histórica ? o que é divindade? personalidade cristã? quem é jesus ? quem prova? jesus cristo divindade provas que do morte sobre cruz evidencias ressurreição existencia prova crucificação dos deus foi no como quem os as romanos em vida tucides biblia tela era soldados tumulo profecias existência protetor pilatos vestimentas historia evangelho tempo isaiias profecia pepois historicas morreu ano antes roupas qual evangelico apostolos maria simon quanto cristianismo trajes john cravos biblicas sitnificado testamento greenleaf judeus nos poderosas pedra dias sangue ilustrações da palavra lucas época pedro stott jerusalem ou rei uma romano poncio teologia israel sofrimento moedas herodes lança rosto ressurreição fatos data bíblia profeta existe crucificacao casado antigo terra atos ressurreicao palavra volta capitulo históricas dia ressuscitou livro messias salmo pesava romana sepulcro zacarias anos morreram calvario verdades historica documento grego versiculos mateus ovni paulo homens fala mais descobertas smith jose 30 70 nascimento sagrada madalena porque vazio epoca bruce histórico significa 60 filho epistolas nazareno crucificado senhor história biblicos 53 mundo historiador wilbur sua cravar site marcos tiago idade pictures josefo pilares túmulo discipulos segundo relacionado detalhes histórica principais obras escreveu ser guarda madeiro esta cristã evidência roma apologética espinhos herodoto milagres aconteceu aconteceu verdade arimateia crucificação seu tres apologia nome comprimento judas salmos atuais numa crista feridas pai fe tucides cafarnaum nao pesquisas pelos dc evangelicos queda historico exige furou novo pesquisa prisão irmão egito tudo texto veredito santo morrer sentença importancia nazare pastorais homem lenço obra império galileia quando datas mar profetizou papiro grande coroa isaías ac velho espiritual pregação enfermidades proteção gospel maior onde prata 22 roupa explicação cartas simpatia pedras porta manuscritos sinaiticus daniel existem apologetica joao moeda casa peixes terceiro tiberio cumpriu anjo galileu fragmento jerusalém desmaio moises dores mae provar antiquidade historicidade 7:14 zombaram 500 moisés versículos traiu levou conclusao materiais crucificação harvard distancia oraçao pessoas mcdowell debate reis argumentos poder suou vestigios corpo letra negou the codigo palestina vaticano autenticidade sentiu julgamento crucificação passado manuscrito evidencia mito livros mortos flagelo pregar oleiro vinagre entre recentes deu peso judeu usados mortes josh jesuscristo final morto estado anjos pessoa 12 horas passou d.c. doze ceia centuriao antigas passagens importantes contemporanea tomé cabeça antiga fato belem cumpriram zebulom hebreu salva versus dor judá grandes christ ate templo dele sou 40 algo quais externas mulheres ressurreiçao hoje origem dicionario moveu povo 27 lanca exercito eternidade estava assunto deuses apareceu cumpridas jusaismo contra 31 lavrado estaca santa viver medico documentos juda modo lugares espirito simpatias tem monte misticos rylands codex pescaria senador sorte guerra antigos ilustracoes terremoto virgem profetas sinal liberal nero protugues romanas encontrado cesar ver mafta;o revosta cristy marta vivo sepultamento gregas dezesseis getsemani mim temas historias desmaiou atitude escrito trindade pais leis jesus cristo divindade provas que do morte sobre cruz evidencias ressurreição existencia prova crucificação dos deus foi no como quem os as romanos em vida tucides biblia tela era soldados tumulo profecias existência protetor pilatos vestimentas historia evangelho tempo isaiias profecia pepois historicas morreu ano antes roupas qual evangelico apostolos maria simon quanto cristianismo trajes john cravos biblicas sitnificado testamento tudo texto veredito santo morrer sentença importancia nazare pastorais homem lenço obra império galileia quando datas mar profetizou papiro grande coroa isaías ac velho espiritual pregação enfermidades proteção gospel maior onde prata 22 roupa explicação cartas simpatia pedras porta manuscritos sinaiticus daniel existem apologetica joao moeda casa peixes terceiro tiberio cumpriu anjo galileu fragmento jerusalém desmaio moises dores mae provar antiquidade historicidade 7:14 zombaram 500 moisés versículos traiu levou conclusao materiais crucificação harvard distancia oraçao pessoas mcdowell debate reis argumentos poder suou vestigios corpo letra negou the codigo palestina vaticano autenticidade sentiu julgamento crucificação passado manuscrito evidencia mito livros mortos flagelo pregar oleiro vinagre entre recentes deu peso judeu usados mortes josh jesuscristo final morto estado anjos pessoa 12 horas passou d.c. site marcos tiago idade pictures josefo pilares túmulo discipulos segundo relacionado detalhes histórica principais obras escreveu ser guarda madeiro esta cristã evidência roma apologética espinhos herodoto milagres aconteceu aconteceu verdade arimateia crucificação seu tres apologia nome comprimento judas salmos atuais numa crista feridas pai fe tucides cafarnaum nao pesquisas pelos dc evangelicos queda historico exige furou novo pesquisa prisão irmão egito greenleaf judeus nos poderosas pedra dias sangue ilustrações da palavra lucas época pedro stott jerusalem ou rei uma romano poncio teologia israel sofrimento moedas herodes lança rosto ressurreição fatos data bíblia profeta existe crucificacao casado antigo terra atos ressurreicao palavra volta capitulo históricas dia ressuscitou livro messias salmo pesava romana sepulcro zacarias anos morreram calvario verdades historica documento grego versiculos mateus ovni paulo homens fala mais descobertas smith jose 30 70 nascimento sagrada madalena porque vazio epoca bruce histórico significa 60 filho epistolas nazareno crucificado senhor história biblicos 53 mundo historiador wilbur sua cravar apostolos maria simon quanto cristianismo trajes john cravos biblicas sitnificado testamento evangelico qual roupas antes ano morreu historicas tempo isaiias profecia pepois evangelho historia vestimentas pilatos protetor existência profecias tumulo soldados era biblia tucides vida em romanos quem como foi deus dos crucificação prova jesus cristo divindade provas que do morte sobre cruz evidencias ressurreição existencia provas e evidências da verdade histórica da crucificação na cruz no calvário,morte e ressurreição de jesus cristo.a apologética cristã bíblica mostra evidências e provas suficientes de que há um deus que enviou um messias na divindade de seu filho jesus cristo para morrer na cruz no calvário pela nossa salvação;a ressurreição de jesus cristo-algo que nos traz a fé e a crença no cristianismo.informações históricas sobre a vida e as ações dos soldados romanos,de pôncio pilatos,do rei herodes,o túmulo,a pedra e a cruz.

ABD Website Design Company, Search Engine Optimization Specialist.

Coração Sacred de Jesus;decoração;Retorno ao topo a página sobre a profecias,evidências e provas Deus existe e ressurreição da divindade,Jesus Cristo.